Antigo blog Anderson Ribeiro

Há quem, com seus superpoderes, domine ler pensamentos. Destes, há quem os ouça, inclusive. Nestes, costumo provocar ilusão de áudica. Anderson Ribeiro
Visite o novo blog em www.andersonribeiro.com.br

fevereiro 23, 2010

Diapasão

Era ela que de tão poros,
pelejavam-lhe os sentires
Eram eles que de tão puros,
conspiravam-se felizes

Eram atos que de tão santos,
urgiam-se-lhes veleidades
Eram ritmos que de tão altos,
revogavam santidades



Eram ébrios que de tão lúcidos,
confessavam-se eloquentes
Era doce que de tanta sede,
bebiam-se dementes

Eram braços que de tão lúdicos,
folheavam-se sem margens
Era tanto que de tão afoitos,
inverossímeis as vertígens

Era impúdico que de tão louco,
olhavam-se trocistas
Eram verbos que de tão métricos,
alheavam-se calculistas

Eram versos que de tão sórdidos,
conferiam-lhes pedantes
Eram olhos que de tão ingênuos,
proclamavam-nos amantes.

De Anderson Ribeiro

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails